31.5.09

assassino

aí que ontem à noite conheci um assassino. assassino mesmo. ele descreveu detalhadamente como ele tinha matado os dois caras que ele matou. achei interessantíssimo.

estava no ponto de ônibus, fumando um cigarro, esperando o ônibus para voltar pra casa depois de um dia interessante de trabalho, quando um homem se aproxima e me pede um cigarro, fui com a cara dele, saquei o maço de cigarro do bolso e dei um pra ele. quando ele viu que era um maço de lucky strike vermelho ele exclamou: "caralho, o índio! mais velho e mais tradicional que o marlboro!" eu respondi com um sorriso e um caloroso "gosta dos luckies?" ele deu um sorriso e emendou um "então, na humildade, sou ex-presidiário e to pedindo uma ajuda, preciso voltar pra ibiúna... e eu to pedindo pra mostrar que as pessoas podem mudar..." eu, super curiosa perguntei "foi preso por quê, velho?" eu comentei "ah, roubo a banco não pega nada, os caras tem seguro e tal, zoado é roubar o cara no busão, que tá voltando do trampo e ganha pouco." aí ele fez uma cara um tanto psicótica e disse "roubo a banco, nossa, cara, eu lá vendo aquele monte de euro, dava uns oitocentos mil reais na época, já pensei na casa que eu ia comprar em santos, na minha viagem pra fernando de noronha... mas aí quando a gente tava saindo do banco só vejo a garra na esquina, eu tava com uma doze, me escondi atrás de um poste, olhei pra onde eles tavam, dei um passo pra frente, dei dois tiros. um pegou na cabeça, o outro na barriga. matei o cara. peguei dezesseis anos... se não fosse a minha mãe e meu advogado eu estaria morto agora, levei tanta porrada que fiquei um mês em coma e uns quatro meses de cadeira de rodas." eu respondi "caralho, mas, velho, você matou um cara?!" aí ele respondeu "matei..." e eu na maior curiosidade "porra, como que você se sente ao matar alguém? tipo, beleza que na hora ou era você ou era ele, então foi meio que um lance de sobrevivência, mas como você se sentiu?" ele fez uma cara mais psicótica ainda, com um certo brilho nos olhos que, depois de percebê-lo, não teria como imaginar que a história não seria verdadeira, e respondeu calma e pausadamente "não queira saber, sério, não queira saber. ... posso te falar que na hora que você está pra matar alguém, não existe deus, anjo, coisas boas, você não pensa que o cara é pai de família, só tem o demônio com você. só você e o demônio, mais ninguém." aí eu me ofereci pra acender o cigarro que tinha dado pra ele, já que ele tinha começado a contar a vida dele desesperadamente. acendi, ele falou "nossa, cara, você é legal, porque ao mesmo tempo que você tem essa postura de gente fresca, você fala a língua da galera, porra, muito legal..." eu agradeci e perguntei "e aí, cara, saiu faz tempo?" ele me respondeu "tô em condicional, mudei cara, conheci coisas que são bem maiores, na lei do homem eu já escapei, na lei de deus não, deus sabe tudo, deus vê tudo. algum dia eu vou conseguir fazer igual ao chico xavier..." aí eu "você se converteu como espírita?" ele respondeu "é, to no kardecismo. é bem legal." eu falei "você sabia que dizem que chico xavier foi reencarnação de kardec?" ele olhou pra mim e falou "lógico! aquele que era o cara! kardec é um anjo agora, cara, e deus, deus é maior que tudo, deus é maior que o universo, deus é a coisa mais incrível que existe." eu olhei pra ele com uma cara de óquei e ele contou mais uma história da vida dele "então, aí minha mãe tinha uma loja de fita de fliperama lá em são miguel... daí um cara chegou lá e roubou uma porrada de fita e ainda levantou a mão pra minha mãe. nem eu que sou eu alguma vez já levantei a mão pra minha mãe, ninguém pode levantar a mão pra minha mãe, a mulher é uma santa. quando ela fala, eu abaixo a cabeça e saio na humildade, não importa o esporro que ela me dê..." eu, só pra ver onde ia chegar a história, falei "cara, mexer com mãe não pode, mãe é sagrada!" ele continuou "então, daí a minha velha nem quis me contar, porque ela sabe o jeito que eu sou, mas a minha esposa me contou. tava com uma quarenta e cinco na época, dei meu jeito, descobri quem tinha feito, colei lá, os caras tavam de boa, sentadinhos num bar, se divertindo. peguei e dei dois tiros na titan verde do cara. daí os caras ficaram todos com cara de assustados, eu não conhecia o cara e falei: 'quem tava com ele na fita fala agora.' ninguém falou nada, tava todo mundo com medo do cano. o cara se apresentou, eu mandei ele ajoelhar, amarrei as mãos dele, os pés e joguei no porta malas do carro. saí, fui pra um matagal que tem por lá, foram dois tiros, um em cada olho. antes de atirar eu falei pro cara, 'assim você aprende a não levantar mais a mão pra mãe de ninguém, seu vagabundo. você nunca mais vai levantar a mão pra mãe de ninguém' e atirei. peguei o querosene e taquei fogo no carro com ele dentro." fiz uma cara meio impressionada, dei as poucas moedas que eu tinha pra ele. ele agradeceu e falou "então, mina, você é gente boa pra caralho, mas eu ainda tenho que resolver essa fita de ibiúna que eu tenho que estar lá amanhã, vou nessa. prazer te conhecer!" eu respondi "beleza, moço, boa sorte aí." ele já tinha começado a descer a rua e falou "henrique!" eu retifiquei "boa sorte, henrique!"

ele foi embora e eu fiquei esperando o ônibus pra ir pra casa.

11 comentários:

. Good Night . Bad Morning . disse...

Há muito tempo atrás, tinha uma mulher chamada rose. Minha mãe contratou ela pra limpar a casa periodicamente. Ela era ex-presidiária. Mexia com prostituição. Tenho saudade dela.

Ana Carolina ou Luli para os amigos disse...

DeoZo-Live!!!
uhauhauhauha!!!

Joooanita Jooooanita,
eu compro seu livro II!!!

Ju disse...

Jo, i need u.

Sabrineeee GanchooO!! disse...

caraleo Jô! AMEI esse contoO!
usdhushsduh!
bom demais!!

amo-te

Sabrineeee GanchooO!! disse...

Nota: tou tocando a zona não titia...
mas é q tou voltando a ativa...uashsuahsauh

Fer Martins disse...

O pior é saber que não deve ter sido a primeira vez que vc tem uma conversa desse tipo.

Vc adora ouvir histórias, né? Ainda mais essas estranhas, que são mais estranhas de se contar depois.

Lembro dos mendigos que vc insistia em conversar e eles acabavam tentando me abraçam, me beijar... Eca.

Bom, pelo menos ele não tentou te assaltar! rs

BobZeeLa disse...

num gosto dessas coisas não! mas a história é bem interessante, velho... e o mais legal é que vc tem cara de metida, mas fala a língua da galera. hahahahahaha

Luli disse...

Jo posso te pedir um help aqui?
Como faz pro gif ficar animado no blogspot?
hehehehe
vc que me ensinou a fazer o blog =)
thanks desde já
ps:pizzaria vc vai neh? nao decidi o dia fala os dias que vc pode!! mandei scrap pra dedezinha 37 hoje vamos se reunir menha gente!!!

Mari. disse...

eu rí alto do comentário do vinícius!

então...
cara, que medo.
mas me serviu de lição, preciso parar de ser fresca, vai q um assassino me puxa papo e eu sou grossa com ele?

Mandarim disse...

Toda vez que eu leio algo seu, eu imagino que você mora aqui no meu bairro... Tenho a nítida impressão de que você é quase minha vizinha...

Estranho, muito estranho...

Paola disse...

boa descrição. lindo!