27.7.10

16/03/08

hoje tive um dia horrível. não foi só hoje, foi hoje e ontem, mas para mim é só hoje porque ainda não dormi e se eu não dormi o dia não mudou. tudo bem, teve uma parte super legal, mas o saldo do dia é negativo. vou contar tudo do começo, porque, aff, foi ridículo. absolutamente ridículo, ridículo demais, mais ridículo que tropeçar e cair de cara no chão na frente da sala de aula.

domingo fiquei na casa da elisa a manhã e a tarde todas. em vez de ligar para o meu pai ou pedir carona para a mãe da elisa eu fui sozinha, de ônibus. queria pensar um tempo e seria útil o tempo no ônibus. aí cheguei em casa, abri a porta e me deparo com meu pai só de cueca no meio da sala. eu olhei para ele, ele olhou para mim e paralisou. ficou lá, com aquela cara de bobão, otário, cretino, filho da puta, infiel de merda que foi pego na mentira. se ele não tivesse feito a cara de "oops, fui pego!" eu teria ignorado o fato e ido para o meu quarto, sabe, ele estava sozinho em casa, nem esperava que eu chegasse, ele tinha direito de andar de cueca pela casa vazia. mas nããããão, para que saber mentir? tem que mostrar com o rosto que estava fazendo algo de errado e foi pego!

aí eu fiquei com raiva saí correndo pela casa pensando que ele já tinha arrumado uma puta ou algo assim. e se fosse uma puta eu nem teria ficado tão possessa, mas, não, nem para isso o idiota serve. quando eu abro a porta do quarto dele, está lá a clarice pelada na cama fumando um cigarro com cara de quem tinha feito algo muito prazeroso. comecei a gritar feito louca que ele era um estúpido, que mal tinha enterrado a mulher e já estava com outra na cama, que ele nem tinha esperado a cama esfriar pra colocar outra mulher dentro de casa, que já ia formar família de novo, que ele era um irresponsável, que se ele quisesse comer as putas dele que fizesse num motel, porque ele não respeitou nossa família nem a mamãe e mais um monte de coisas loucas que devem ter feito todo sentido na hora que eu gritei. até que chegou uma hora que eu cansei de gritar, entrei no meu quarto, peguei algumas coisas aleatórias e saí de casa.

quando eu já estava meio longe mandei uma mensagem pra elisa dizendo que não ia ficar em casa e depois eu explicaria. eu nem sabia para onde eu ia ou o que eu ia fazer, só sabia que eu estava muito puta com meu pai e não queria ver a cara dele por algum tempo. fiquei andando sem rumo pela cidade, até que eu cansei de andar, parei numa praça, sentei num banco e comecei a chorar. chorei tanto, mas tanto, mas tanto que se eu visse de fora até eu ficaria com dó de mim. eu nem sei porque eu estava chorando ou por que eu fiquei muito brava com meu pai. foi a pior meia hora da minha vida. eu poderia ter corrido pra elisa, ela faria tudo ficar melhor, mas eu não queria, queria ficar sozinha.

quando eu parei de me debulhar em lágrimas um pouco uma galera se aproximou de mim. três meninos, duas meninas, tinham duas garrafas de vinho, uma pela metade. acho que eles viram que eu estava mal e quiseram fazer algo, sei lá. começaram a conversar comigo, me deram vinho, cigarro, tudo que eles tinham. que bom que ninguém estava com droga, senão eu iria experimentar. aí eu fiquei bêbada, também, nunca tinha bebido de verdade. nós conversamos sobre um monte de coisas, foi divertido. até rolei no chão! nós ficamos na praça até alguma hora que eu não sei e depois fomos para um lugar mais escondido porque não queria que meu pai me achasse, se ele estivesse procurando. ficamos juntos até de amanhecer, depois foi cada um para a respectiva casa. fui a pé para minha, passei em uma padaria, comprei um refrigerante e fui bebendo no caminho. quando eu cheguei em casa não tinha ninguém.

a elisa me ligou de madrugada para saber o que tinha acontecido, atendi, contei por cima e disse que estava tudo bem, que tinha feito amigos. ela me pediu para voltar para casa e conversar melhor com ela, mas eu falei que nem ia porque era perigoso e tal. nem era perigoso, eu só não queria voltar e encarar meu pai. não quero olhar na cara dele. aí, ela me pediu para avisar quando eu chegasse. quando eu cheguei e não vi pai nenhum e nada de amante, liguei para elisa, disse que estava tudo bem, que eu estava em casa e que ia dormir. aí estou aqui escrevendo porque eu não consegui dormir e eu não sei o que fazer.

meu pai ainda não voltou, mas por precaução já tranquei a porta. eu não quero vê-lo, não quero conversar com ele, não quero qualquer coisa vinda dele. aff, não acredito que metade dos meus genes são de um fornicador compulsivo e a outra metade de uma mulher mal amada que descontava toda decepção na filha dela. eu não quero esse tipo de coisa para mim, não quero ser assim, eu não quero um pai que não respeita a memória da esposa morta e já traz putas para comer em casa e economizar a grana do motel. aposto que ele já estava com a clarice antes da mamãe morrer. e a clarice, aquela vagabunda, fingiu que era legal, fingiu que era só amiga do meu pai, fingiu tudo! aff... se eu a visse agora ia falar muito pra ela!

eu não quero ver meu pai! não quero ter que olhar na cara dele! vai ser horrível quando ele chegar, eu sei que eu não posso me esconder no meu quarto, nem fugir de casa para sempre, nem ser refugiada na casa da elisa porque acho que os pais dela não ajudariam nem um pouco nessa situação. odeio a vida! odeio meu pai! saco, vou tentar dormir e nem fodendo eu vou para escola amanhã. talvez eu vá, mas só para ver a elisa, eu preciso dela. mais tarde eu ligo para ela de novo pra explicar o que aconteceu.

odeio minha vida.

4 comentários:

Sabrine disse...

caraleo.
enfim, o q será da vida de amanda?? hunf. é complicado. mto.
acho q as coisas vão piorar pra mocinha aê... ^^

Vc tá bem?? falando em dormir, vc está dormindo pelo menos um pouco??

eu te amo.

beijosS!

p! disse...

talvez eu vá para a escola, ou talvez sim eu seja criança e não vá.

Ju disse...

A Amanda tá sendo um pouco emo, né não? Tiöp, fazem 3 meses que a mãe dela morreu, deixa o ômi ser feliz, poxa! hahahaha [mas fatão que ele podia ter comido a Clarice no motel, ó]


Aaaaaaaai amiga... aquele post alí tem muuuuuuuuita coisa que não foi adicionada! hahahaha fui pra Paranapiacaba coas amiga no domingo. Até uns pega nas amiga rolou... hahahah pensa! =P

Saudades de tu, mulé!

carola disse...

quero convidar a Amanda pra passar o dia dos pais juntas.

podemos fazer um tiro ao alvo personalizado com a fotografia dos nossos pais!


hahahahh

gosto dela, "quando eu parei de me debulhar em lágrimas um pouco uma galera se aproximou de mim. três meninos, duas meninas, tinham duas garrafas de vinho, uma pela metade. acho que eles viram que eu estava mal e quiseram fazer algo, sei lá. começaram a conversar comigo, me deram vinho, cigarro, tudo que eles tinham. que bom que ninguém estava com droga, senão eu iria experimentar. aí eu fiquei bêbada, também, nunca tinha bebido de verdade."


Hahahhahah Adooorooo!!!